Seguidores

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Hinos avulsos - Qual sua inspiração?


‘A paz de Deus!
Queria saber o que o irmão acha sobre hino avulso. Estou com dúvida se é revelação humana ou divina, porque aqui na minha região já ouvi ancião pregar que hino avulso é do diabo, dizendo: Que por ventura o hino avulso não seria um dos sinais que poderia enganar até o número dos escolhidos. E outros dizem que Deus faz obra, milagre e que faz bem para nossa alma fazer uma hora extra nos hinos avulsos. Deus abençoe!’. (Thiago Bogarin)

Louvemos o Senhor.Celebrai com júbilo ao SENHOR... apresentai-vos diante dele com cântico. Entrai por suas portas com ações de graças e nos seus átrios, com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o nome” (Sl 100:1,2,4). O louvor é essencial no culto e na adoração que prestamos a Deus. O louvor é uma forma da alma humana se expressar e matar a sede que ela mesma tem de Deus (Sl 42:1-5). No entanto, só pode ser considerado louvor, quando partir do coração de um crente espiritual, com vida entregue a Deus – “Regozijai-vos nos SENHOR, vós, justos, pois aos retos convém o louvor” (Sl 33).

Na individualidade. “Eu te louvarei, SENHOR, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas. Em ti me alegrarei e saltearei de prazer; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo” (Sl 9:1,2). É justo e necessário louvarmos o Criador. Apesar de ser um dever, o louvor tem que ser espontâneo; algo que sentimos e acreditamos.

Na unidade. “Vinde, cantemos ao Senhor! Cantemos com júbilo à rocha da nossa Salvação! Apresentemo-nos ante a sua face com louvores e celebremos-lo com Salmos” (Sl 95:1,2). O louvor na congregação dá a idéia de um povo tomado pelos mesmos sentimentos. Na medida que a irmandade canta na presença de Deus, Ele se faz sentir, e ficamos receptivos à sua palavra.

Em todo tempo. “Louvarei ao senhor em todo tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca” (Sl 34). O dia de aceitação se chama hoje; a hora se chama agora. Este é momento oportuno para louvar.

Em todo lugar. “Louvar-te-ei entre os povos, SENHOR, e a ti cantarei salmos entre as nações” (Sl 108:3). Se quem canta os males espanta; quem louva as bençãos atrai. Por isso faça igual o salmista: “Louvarei o Senhor durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus enquanto viver” (Sl 146:2).

Hinos avulsos. São aqueles que não compõem o hinário oficial, e, especialmente, foram compostos por nossos irmãos. Antes de comporem o hinário, todos os hinos eram avulsos; Ou será que o hinário nasceu primeiro que os hinos? Claro que não. Primeiro vieram os hinos e posteriormente foram reunidos numa coleção. A Bíblia tem seu próprio hinário – o “Saltério” (Livro dos Salmos). Os versículos bíblicos citados acima são também versos de hinos e poesias. Costumamos dizer que o hinário é a Bíblia cantada... Seria então o “Louvores e Súplicas” e a “Harpa Cristã”, hinários avulsos?

Inspiração divina ou humana? “Tu és o lugar em que me escondo; tu me preservas da angústia; tu me cinges de alegres cantos de livramento” (Sl 32:7). O louvor expressa pela arte musical o que Deus operou em nossas vidas. Diante da prova ou da alegria do livramento, o Espírito Santo comunica com nosso espírito (Rm 8:16) produzindo em nosso íntimo: vezes uma oração (Rm 8:26); vezes uma canção (Sl 42:8). A exteriorização e o estilo dessa canção é de acordo com a sensibilidade, cultura, regionalidade e gosto de cada um. Também da maior ou menor capacidade musical ou dom do compositor.

Assim nascem os hinos: "Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo; pôs meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos. E pôs um novo cântico na minha boca - um hino ao nosso Deus. Muitos [ouvirão, crerão e cantarão] ao SENHOR" (Sl 40:1-3).


O hino e a obra. O hino avulso é o conto de uma obra. É um testemunho cantando. Ao ser entoado causa emotividade e um efeito singular no ouvinte que esteja passando pelas mesmas experiências (prova), consolando, animando e produzindo fé no coração, abrindo as portas para a operação de Deus.


Os hinos não são sinal nem fazem milagres; são os sinais e milagres que inspiram os hinos.


Este hinário é meu! O homem faz sua seleção, desprezando uns e aprovando outros hinos; dá números para ordená-los; reune-os num caderno; põe um título na capa; e depois de agradecer a Deus por mais uma edição, passa a menosprezar outros hinos e brigar por direito de exclusividade. Muitas vezes, sem conhecer a hinologia dos cânticos, chega ao cúmulo do absurdo, a ponto de dizer “que hino avulso é do diabo...um dos sinais para enganar os escolhidos”. Isto é muito perigoso, atentemos na passagem de Mateus 12:25-32. Ao contrário disso a Bíblia diz que "decoroso é o louvor" (Sl 147).

Os hinos são uma produção da alma; o hinário um produto do intelecto.
Um é efeito da emotividade; o outro é feito da racionalidade.

Sem limites pra louvar. Muitos irmãos dizem que só podemos louvar a Deus com os hinos oficiais. É verdade que todos são maravilhosos e foram inspirados pelo Espírito Santo; No entanto, "muitas são, Senhor, meu Deus, as maravilhas que tens operado para conosco, e os teus pensamentos não se podem contar diante de ti; eu quisera anunciá-los e manifestá-los, mas são mais do que se pode contar [ou cantar]" (Sl 40:5). Se só posso louvar com o hinário como obedecer: "Cantai ao SENHOR um cântico novo" (Sl 149)? Nem todos os hinos e hinários podem dimensionar a grandeza do nosso Deus.


Na comunhão dos santos.“E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas encehei-vos do Espírito; Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Ef 5:18,19). As tocadas* são o ambiente mais apropriado para louvarmos com os hinos avulsos. Mesmo não podendo ser oficializados por não corresponderem ao estilo litúrgico do culto, os hinos avulsos deveriam ao menos ser catalogados, porque são belíssimas manifestações, próprias da nossa irmandade e contribuem para nossa identidade denominacional. Nossa adoração não se restringe à liturgia do templo. Seja nossa vida toda um culto e cada fôlego uma exaltação (Sl 150:6); porque "Deus...habita entre os louvores do teu povo" (Sl 22:3).

Portanto: Quer com hinos oficiais, quer com hinos avulsos. Na individualidade, na unidade, na comunhão dos santos, em todo tempo e lugar, LOUVEMOS O SENHOR! AMÉM e AMÉM!


*Tocadas: ou tocatas são encontros informais da irmandade que se reune para louvar a Deus ao som dos instrumentos musicais.

13 comentários:

  1. Amém! E Deus nos livre de tamanha ignorância teológica...

    ResponderExcluir
  2. Epa!

    Ricardo, há um grande problema ai...já escrevi um texto sobre isso. Há muitos hinos com heresias terríveis, angelolatria, etc...

    Deve haver muita prudência nesta resposta. Eu não ouço hino avulso, nem da CCB, nem muitas músicas evangélicas que tem por ai. Falam muito em tristeza, em angústia. Se a pessoa da depressiva e ouvi alguns hinos que conheço, corre na ponte e se joga.

    Prefiro os oficias por não conter erros e distorções.

    Em todo caso, bom seria se tivessémos condição de avaliar quando uma letra está servindo para adorar ou para aparecer quem a compôs.

    ResponderExcluir
  3. Eu particularmente aprecio hinos avulsos, não todos obviamente.

    Não tenho nada contra, desde que estes não firam princípios básicos das escrituras sagradas e tenham o seu louvor centrado em Deus ou ainda nas súplicas que a Ele fazemos.

    Lembrando, o nosso hinário oficial é intitulado como "Hinos de Louvores e Súplicas a Deus".

    Hino não é somente de adoração, mas também de súplicas.

    Vai um link de um hino avulso que eu gosto muito: http://www.youtube.com/watch?v=mWfeiVQYRhw

    Escrevi este comentário escutando o hino 403...

    Apesar disso tenho preferência pelos hinos do hinário, sem "demonizar" os demais.

    Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  4. Os hinos que hoje temos no hinário, já foram um dia "hinos à vulso". Quase todos os hinos da CCB não são de autoria da CCB. Eles foram compostos por músicos presbiterianos, batistas, luteranos e outros religiosos do século XVIII e XIX. Estes hinos ganharam popularidade entre as igrejas americanas e foram incorporados aos hinários de muitas denominações. Não estou falando somente da melodia. Estou falando de Melodia E poesia. O hino 75, por exemplo, foi praticamente todo traduzido para o português: Wonderful Grace of Jesus, Greater than all my sin. O hino 4: How great thou art (quão grande tu és); O hino 433: Yes Jesus loves, Yes Jesus loves me, Yes Jesus loves me, The Bíble tells me so (exatamente como no da CCB). Hino 5: I love to tell the history of Jesus (Amo contar a história de Jesus, como no hinário que diz "Contar as suas obras e lembrar seu grande amor"). Etc.
    Obviamente muitos hinos dito "à vulso" são completamente infundados mas isto não invalida aqueles que foram composto com um sentimento autêntico e embasamento na doutrina cristã.

    ResponderExcluir
  5. Ricardo,

    Gosto de desmistificações e por isso gosto de vir aqui ler os teus textos.

    Lendo as considerações iniciais do leitor, não tem como não dizer que isso tudo é uma grande bobagem que o homem pretensioso teima em colocar como tradição.

    Como se Deus estivesse preocupado com tradições...

    E mais: gente, vamos deixar de adorar ancião como se ele fosse infalível. Isso tá pior do que a adoração de católico com o papa e padre Fábio de Melo. Caramba, paremos com essa idolatria!!!

    Ora, o vento sopra onde quer. Até por meio de uma música 'do mundo' o Espírito Santo faz sua obra. Ele não precisa de nada estabelecido por homem para agir. Quando é que vamos entender algo tão simples? Já sei: quando passarmos de religiosos a convertidos. Mas isso aí já é ação do Espírito Santo em nós...

    Quantas vezes Deus me acalmou o coração por meio de uma música 'do mundo', fora dos átrios religiosos! E quantas vezes me angustiaram algumas letras ditas 'inspiradas pelo Espírito Santo'.

    A propósito, muitíssimo valiosas as informações do Brandon! Eu também já tinha essa informação, mas é importante que os idólatras tomem conhecimento para que caiam seus ídolos pessoais e o Deus Todo Poderoso assuma seu posto em seus coraçõezinhos equivocados. Amém!!!

    Deus não tem problema de ego pra que se reúna uma monte de gente cantando em seu louvor. O louvor que interessa a ele é o FRUTO de lábios que confessam o seu nome, a prática do bem e a mútua cooperação. Por meio de JESUS. É disso que Ele se compraz. (Ver Hebreus 13:15.16)

    É claro que no versículo seguinte ele diz pra 'obedecer' aos guias, mas como obedecer a guia(ancião, guru, líder espiritual, pastor, papa, padre marcelo) que não atenta ao versículo anterior?!

    Em relação ao suposto ego de Deus, ou auto-estima divina avariada tendo que ser restaurada por pretensos homens espirituais, Ele já tem 'uma equipe vinte e quatro horas' no dia dizendo que ele é Santo, Santo, Santo. (Ap 4.8 - Ez 1.18; 10.12 - Is 6:2.3)

    Precisamos parar de correr atrás do vento, de fazer tanto esforço inútil, pois já está consumado. Paremos de repetições mecânicas. Descansemos NELE! Façamos tão-somente o que, de fato, interessa a Deus que façamos, para que nos RELACIONEMOS bem uns com os outros.

    No amor de Cristo,

    R.

    ResponderExcluir
  6. DANIEL,

    Se quanto ao gosto, a irmandade é diversificada; quanto ao conteúdo
    tem que ser unânime.

    Há hinos para todo gosto, mas não doutrina. Um hino não pode
    contrariar os fundamentos bíblicos.
    “Os teus estatutos têm sido os meus cânticos” (Sl 119:54).

    Quando o hino se enche de vaidade humana, se esvazia de adoração. A composição se torna uma música qualquer. Diz um salmo: "Não a nós, SENHOR, não a nós! Ma ao teu nome, a glória".

    Quando o Espírito Santo se move em nós, ao liberarmos nossas emoções
    temos que tomar cuidado para não cometermos excessos, para não se
    transformarem em manifestações carnais. Do mesmo modo, ao compor um
    hino, temos que fazê-lo com reverência e temor, para que não se
    transformem em mera diversão humana, e, pior, em heresias.

    VIGIEMOS!

    ResponderExcluir
  7. REGINA,

    A melhor forma de nos expressar a Deus, é através da nossa
    espontaneidade.

    Deus não quer que o impressionemos com toda forma de recursos humanos, isso não o comove.

    O verdadeiro louvor é muito mais do que palavras; Ele se manifesta em ações e em atitudes por uma vida de compromisso e cheia de gratidão.


    A palavra de Cristo à mulher samaritana é a sintese de tudo o que Deus quer de seus adoradores: “em espírito e verdade”.

    ResponderExcluir
  8. Exatamente!

    Relação com Deus não é 'sentir', chorar de emoção, arrepiar-se, emocionar-se. É SER.

    Para muitos, relacionar-se com Deus está sempre ligado ao 'sentir'; enquanto a relação com Deus na verdade está ligada à fé, que nada tem a ver com emoção nem sentimento.

    Para muitos religiosos que se emocionam com a 'presença' de Deus, o AMOR não passa de mero sentimento; já para Jesus é decisão decorrente da fé. Decisão no chão da existência e não emoção temporária em culto dominical.

    ResponderExcluir
  9. acho que tudo o que nós fizermos para a honra e glória de Deus é válido =)

    ResponderExcluir
  10. Vejam o post sobre os hinos da CCB neste link

    http://gracaccb.blogspot.com/2011/10/hinos-adotados-pela-congregacao-crista.html

    ResponderExcluir
  11. Se hino avulso fosse de Deus não causava tanta confusão entre a irmandade... Mas quem quiser permanecer no duvidoso, que assim o faça, por sua conta e risco... Lembrando que há muitos hinos avulsos com idolatria, letra distorcida e de fontes duvidosas... Os nossos hinos oficiais mesmo tendo origem melódica anterior ao hinário, foi REVELADO pelo espirito junto com a doutrina... A letra é fundada na Palavra...
    Agora, o que vem de Deus é incerto e duvidoso?
    Tenho certeza que não, pois se não, nós não estaríamos na CCB pela fé uma vez por Jesus dada aos santos, esta fé perfeita... A graça onde habita a certeza em plenitude de salvação...
    Guiem-se pelo espirito, pois esta é a era de discernir o que é de Deus, o que é da carne e o que é do inimigo!
    'O que é de Deus é SIM SIM ou NÃO NÃO, outra coisa não provém de Deus'

    ResponderExcluir
  12. Lêndo os 2 comentàrios da RF,a mesma disse que gosta de "demistificaçôes",Mas ai o tiro saiu pela culatra,As suas Herèsias sim|,Serâo agora demistificadas.

    Ela falou no seu comentàrio do dia 27 de Setembro de 2011 08;09.(Como se Deus tivesse preocupado com tradiçôes).

    E esteve mesmo,Ou sò ela nâo sabia?,veja sò;("Entâo,Irmâos,estai firmes e retendes as TRADIÇÔES,que vos foram ensinadas,seja por Palavra,seja por epistola nossa").2Tss;2;15.

    No mesmo comentàrio ela falou;(E mais;gênte,vamos deixar de adorar Anciâo como se ele fosse infàlivel-.Resp.Nâo adoramos RF,mas sò o estimamos e honramos,Nâo Sabia?;veja a seguir;

    ("Os presbiteros que gonvernam bem sejam ESTIMADOS por DIGNOS de DUPLICADA HONRA,Principalmente os que trabalham na PALAVRA e na DOUTRINA")1Tim.5;17.

    Jà no seu comentàrio do dia 26 de Setembro de 2011 21;59,a RF falou;(Relaçâo com Deus,não ê sentir,chorar de emoçâo,arrepiar-se,emocionar-se),Você RF,diz do que desconhece e do que NADA sabe sobre Deus,Tá agora desmistificada|.

    Veja agora porque se deve sentir,chorar e emocionar-se.
    ("ALEGRAI-VOS com os que se alegram,E CHORAI com os que CHORAM").Rm.12;15.

    Como você nâo conhece as Escrituras caiu no Erro que o Senhor tanto Advèrtiu;("Jesus,porèm,respondendo,disse-lhes;Errais NÂO CONHECENDO as Escrituras,nem o Poder de Deus")S.Mt.22;29.arc-ibb.

    ResponderExcluir

Sua participação é sempre valiosa.